O Auto da Compadecida - 6 coisas que você provavelmente não sabia

Não é à toa que a obra, seja a peça ou o filme perdure até hoje, 18 anos depois do grande sucesso nacional.

Poucos filmes brasileiros são tão unânimes quanto O Auto da Compadecida, longa de 2000 e que conta com o elenco inesquecível com Selton Mello, Fernanda Montenegro, Marco Nanini, Matheus Nachtergaele, Rogério Cardoso e Paulo Goulart. Parte dessa magia vem da concepção da história inspirada na clássica peça teatral de Ariano Suassuna.
O Auto da Compadecida é uma peça teatral escrita por Ariano Suassuna. Um escritor paraibano arretado que quis elevar a linguagem popular, a literatura do cordel, tudo isso de uma maneira lúdica, cômica e satírica.

O Auto da Compadecida - Filme e Minissérie
1 - O Filme

Muita gente não sabe que a primeira grande adaptação audiovisual da obra de Ariano Suassuna aconteceu muitos anos antes, em 1969. É  o filme A Compadecida, dirigido por George Jonas e gravado na pequena cidade de Brejo da madre de Deus - PE. A trama se parece bastante com o filme de 2000, afinal, Suassuna até deu uma mãozinha na produção do roteiro para deixa-lo mais fiel a sua obra escrita 14 anos antes (1955), grandes artistas também fizeram parte do elenco, A compadecida ao invés de Fernanda Montenegro ganha a vida com a atriz Regina Duarte, o contador de histórias Chicó, conhecido pelo papel de Selton Mello é interpretado por Antonio Fagundes.


João Grilo e Chicó - O Auto da Compadecida

2 - Origem

A produção na verdade começou com apenas com uma série de 4 capítulos exibido na Rede Globo em janeiro de 1998, no entanto, o sucesso foi tão estrondoso que o diretor Guel Arraes em parceria inédita com a Globo Filmes, planejou adaptar a série para um longa-metragem. Para isso reduziram a produção em cerca de 100 minutos e acrescentaram alguns efeitos para fazer sentido nas telonas dos cinemas e assim O Auto da Compadecida se tornou o primeiro filme feito pela Globo Filmes desde a produção até a distribuição final, algo que atualmente acontece com quase todos os filmes com o selo da empresa.


3- Audiência

Mesmo tendo exibição prévia na Rede Globo, O Auto da Compadecida levou mais de 2 milhões de espectadores aos cinemas para conferir a trama de Chicó e João Grilo. Atualmente o longa-metragem de Guel Arraes se consolidou entre as 100 maiores bilheterias do cinema nacional e de acordo com o ranking elaborado pela ABRACINE - Associação Brasileira de Críticos de Cinema - O Auto da Compadecida é 63ª melhor produção nacional da história.

Veja o ranking dos filmes mais assistidos no Brasil:



Ranking de filmes nacionais com as maiores bilheterias

4- Elogios

Ariano Suassuna que tinha certas restrições com a adaptação de sua obra, ficou contente com o resultado final. Ele disse na época de lançamento do filme, que "Matheus Nachtergaele foi o melhor intérprete de João Grilo, sua atuação é impecável, pois consegue passar toda a esperteza do personagem que luta contra o patriarcado rural, a burguesia urbana, a polícia, o cangaceiro e até contra o diabo". Disse o escritor, mas segundo ele a melhor atuação foi de Fernanda Montenegro como nossa senhora. "O rosto de Fernanda agora vai se juntar na minha memória ao de Socorro Raposo, a primeira atriz a interpretar o papel". Afirmou Suassuna.

Cidade de Cabaceiras - PB

5 - Cenário

Você pode até não ter reconhecido, mas a versão de 2000 de O Auto da Compadecida foi filmado em Cabaceiras - PB, a cidade é conhecida como Hollywood nordestina e já foi palco de filmes como Cinema aspirinas e urubus, São Jerônimo e Viva são joão. A entrada da cidade até conta com um letreiro parecido com o de Hollywood, no lugar está escrito Rolíude nordestina em aproximadamente 80 metros de comprimento.


6 - Produção

Por fim, vale ressaltar que toda caracterização dos personagens realizada por Cao Albuquerque, foi muito interessante. Ele jogou todas as peças em uma espécie de caldeirão, elas foram tingidas e lixadas várias vezes para ficar com o aspecto de gasto e de empobrecido, dando o ar mais fiel as roupas tradicionais da região. Marco Nanine que interpreta o cangaceiro Severino ainda teve que usar um olho falso de vidro e uma máscara de látex no rosto, já a roupa cheia de adereços e detalhes pesava mais de 8kg e obrigava o ator a fazer pausas durante as gravações por conta do calor da região.





7 comentários:

  1. Excelente texto! Viva a Cultura inocente e rica do nosso Brasil.

    ResponderExcluir
  2. Grato, precisamos de mais conteúdo desse tipo.

    ResponderExcluir
  3. Com certeza até hoje um dos melhores filmes brasileiros já produzido...

    ResponderExcluir
  4. Enquanto isso o Edir Macedo comprando ingressos e dando prós fiéis pra aparecer no ranking de bilheteria.

    ResponderExcluir
  5. Na minha humilde opinião ,esse foi o melhor filme nacional ,tão simples mas também tão rico em detalhes..sei cada fala de cór e salteado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. pois pode falar com comvicção; esse é o melhor filme brasileiro da história! a começar por interpretar uma obra literária que ganhou prêmios no mundo todo, e a crítica social é muito rica, em um tom de comédia

      Excluir
  6. Deveria está em primeiro com toda certeza, melhor obra já produzida nacionalmente !

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.